A cidade cinza

10:42 by Bruno Godinho

- No meu tempo era bem diferente
- Diferente como?
- Ah, diferente diferenciado. Doutro jeito.
- De que jeito, vô?
- Só tinha sete cor. As cor do arco-íris. Era uma belezura quando chovia e fazia sol. Uma beleza que Deus fez. Aí o homi não contente fez logo um monte de cor nova pra pintar retrato.
- Pra pintar retrato?
- É, acho que foi aquele Leonardo da Vinte ou algum cumpanheiro dele. Foi misturando cor com cor pra fazê suas pintura e acabô inventando um monte de coloridos novo.
- Mas isso é bom, não é?
- Ah, tava tudo até bunito. Tinha as cor que Deus fez, as cor que o homi fez, mas não parou aí. Veio a cor da máquina.
- Que máquina?!
- Uai, essas que você fica fuçando. Quando esse tal de computador começou a mostrar as asinhas foi um Deus nos acuda. Aí já era cor pra tudo quanto é lado. Dava pra encher uns três curral desse com cor e ainda não cabia tudo. Ô lezêra!
- E tudo ficou mais bonito, né?
- Ficô foi nada, menino. Aí bagunçô de vez. E piorou quando a ciência fez até cor invisível.
- Como assim, vô?
- É um tal de infravermeio, ultravioleta, raio-x, gama, fama, lama... e o diabo a quatro. É um monte de cor colorida, mas que ninguém vê. Vê se pode? Ai ai... fico macambúzio.
- O senhor fica macambúzio com as cores de Deus, do homem, da máquina ou da ciência?
- Nem um, nem outro. Tava aqui pensando: com tanta cor nesse mundão muderno aí à fora, ninguém ainda conseguiu tirar a cor cinza e triste de Sum Paulo.

Posted in | 2 Comments

2 comentários:

Anônimo disse... @ 31 de julho de 2011 18:09

Mto Bom! By: Rosa

Camila Lourenço disse... @ 2 de agosto de 2011 22:22

É.. e n inventaram cores pra mt mais coisa tb...

Postar um comentário